“Enfermeiro” foi a “Palavra do Ano” de 2018

2019-01-07

“Enfermeiro” foi a “Palavra do Ano” de 2018

A “Palavra do Ano” de 2018 foi “enfermeiro”, segundo foi anunciado pela Porto Editora.

Na votação que colocou várias palavras a concurso para “Palavra do Ano”, “enfermeiro” alcançou 37,8% dos 226 mil votos validados.

Uma “votação recorde”, diz a Porto Editora, que promove a iniciativa que completa este ano uma década.

Da lista de dez palavras colocadas à votação durante o mês de dezembro, em www.palavradoano.pt, em segundo lugar ficou o vocábulo “professor”, com 33,4%.

A escolha inicial do termo “enfermeiro” tinha sido justificada pela Porto Editora com os vários movimentos de protesto desta classe, ao longo do ano passado e que continuam em 2019.

No terceiro lugar, ficou “toupeira” com 10,6%; no quarto posto “privacidade” (3,1%) e, a meio da tabela, no 5.º, ficou “assédio” (2,9%).

Na segunda parte da tabela ficaram “populismo”, com 2,8%; “extremismo”, com 2,6%; “paiol” com 2,5%; “sexismo” (2,3%) e, em último, “especulação” (2%).

As palavras que têm sido eleitas permitem “um retrato sociológico do país na última década”, uma vez que “quer através das palavras eleitas, quer das que compuseram a lista candidata, olhamos para elas e percebemos o que se passou naquele ano”.

A palavra “enfermeiro” junta-se assim à lista das vencedoras da iniciativa que inclui “esmiuçar” (2009), “vuvuzela” (2010), “austeridade” (2011), “entroikado” (2012), “bombeiro” (2013), “corrupção” (2014), “refugiado” (2015), “geringonça” (2016) e “incêndios” (2017).

Em 2018 registou-se uma participação do público “verdadeiramente histórica”, com 226.000 votos validados. No ano passado contaram-se apenas 30.000 votos, o que leva a Porto Editora a afirmar que “o excecional nível de participação demonstra que esta iniciativa está definitivamente consolidada no calendário dos portugueses”.