Região continua a ter balança comercial deficitária

2019-01-21

Região continua a ter balança comercial deficitária

Apesar do peixe e do leite dominarem as exportações açorianas, a Região continua a ter uma balança comercial deficitária, importando mais do que aquilo que exporta.

E, por incrível que pareça, no topo das importações para os Açores estão exatamente os mesmo produtos que nós exportamos: peixe e lacticínios.

Os últimos dados conhecidos mostram que a Região, entre Janeiro e Novembro de 2018, dobrou as exportações, mas continuamos a importar mais do dobro do que exportamos.

Nos primeiros 11 meses de 2018, os Açores importaram 162 milhões de euros de produtos e só exportaram 85 milhões de euros.

Assim, regista-se um aumento das importações de quase 30%, enquanto as exportações apenas cresceram 1,2%.

Peixe fresco e conservas representam a maior fatia das exportações (renderam cerca 15 milhões de euros). Nos lacticínios saem, sobretudo, leite em pó, manteiga e soro. O queijo tem uma venda reduzida no estrangeiro, apesar de ser o produto que atinge maior rendimento, mas vendido, sobretudo, no Continente português. No ano passado, o valor dos lacticínios rendeu aproximadamente 10 milhões de euros.

As exportações dos Açores destinam-se na sua maior parte para Espanha, no caso do peixe fresco; Espanha e Angola (as conservas) e Espanha e Holanda (os lacticínios).

Mas, por incrível que possa parecer, também importamos peixes e lacticínios (de Espanha e França), assim como cereais e comida para animais (da Costa do Marfim e dos EUA).