Bruma Project com planos para voar até ao Continente

2019-01-21

Bruma Project com planos para voar até ao Continente

Depois de percorrerem os principais palcos dos Açores, em 2018, os Bruma Project estão a trabalhar para conseguirem levar o mais recente projeto de fusão da música açoriana com os tons do jazz ao Continente português.

Remexendo num património musical que volta e meia ameaça ficar esquecido, Sara Miguel, Gonçalo Moreira, Michael Ross, Alexandre Frazão, Luís Senra, Roberto Rosa e Zeca Sousa, querem dar seguimento à Tour Açoriana (onde partilharam palcos com nomes como Rafael Carvalho, Aníbal Raposo, Zeca Medeiros e António Bulcão), levando as 11 faixas do álbum com o mesmo nome do grupo a palcos nacionais.

O álbum de estreia de Bruma Project foi lançado em novembro e já vendeu 700 das mil cópias que foram colocadas à venda. Desde o início deste ano, que o CD pode também ser adquirido em plataformas digitais como o ITunes, Spotify e CDBaby.

Entre os maiores fãs do projeto açoriano, segundo a vocalista Sara Miguel revelou numa entrevista ao jornal Açoriano Oriental, está Rui Veloso. O “pai do rock português” anda a ouvir temas como “Bailado da Garça”, “Cavalo de Várias Cores” e “Canção de Embalar” no leitor do seu carro: “Há umas semanas enviámos o nosso disco ao Rui Veloso e ele respondeu-nos pelo Messenger, dizendo que estava muito agradado com o trabalho, que andava com ele no carro e que o ouvia um pouco todos os dias”, revelou a cantora.

No último ano, para além da Tour pela Região, foi lançado o álbum de estreia e um segundo videoclipe, da música “O Sol”, que regista uma versão próxima da que foi cantada por José da Lata e tem o Farol das Contendas, em São Sebastião, como cenário.

O álbum Bruma Project tem 11 faixas, que mergulham em temas do cancioneiro tradicional açoriano e, fundamentalmente, no universo musical da Região produzido na década de 80, casando músicos profissionais continentais e também açorianos, que deram uma nova vida a temas como “Chamateia” (de Luís Alberto Bettencourt), “Cantiga da Terra” (de Zeca Medeiros) e “Maré e Natividade” (de Aníbal Raposo).

Os Bruma Project começaram a dar os primeiros passos em novembro de 2015, assumindo-se como um “projeto de confluência atlântica que une a música açoriana às sonoridades jazzísticas, à novidade da experimentação e ao fluir criativo da improvisação”.